Direitos Humanos na Comunicação: As Pesquisas e Produções do OBMídia UFPE

O OBMÍDIA esteve presente, no dia 22 de novembro, na II Semana de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura (SEPEC), com a estudante Thais Maria dos Santos apresentando Direitos Humanos Na Comunicação: As Pesquisas e Produções do OBMÍDIA da UFPE. Sua demonstração visou explanar como o Observatório vem sendo usado tanto para contestar as notícias veiculadas com enfoque de gênero, raça/etnia, orientação sexual e/ou violação aos direitos humanos, quanto para apoiar às ações de educação para os meios, realizadas pela sociedade civil; investir na produção de documentários em vídeo, campanhas e programas de rádio com foco na leitura crítica da mídia e na oferta de espaços para o exercício da liberdade de expressão de múltiplas vozes, silenciadas pelos meios comerciais de comunicação; e produzir debates, artigos acadêmicos e oficinas, todos eles com o foco nos temas já citados.

Para ilustrar parte do que é realizado, Thais disponibilizou algumas das análises feitas para audiências no Ministério Público, os códigos utilizados e os processos de retratação, que seguiram os seguintes passos.

  • Veiculação de “Erramos” na capa do jornal, a título de retratação, na qual o Aqui PE lamentou “todos os transtornos causados pela publicação indevida” (edição dos dias 28 e 29 de outubro).
  • Publicação da série de matérias sobre direitos humanos. A primeira foi veiculada dia 11 de dezembro com a chamada de capa “Precisamos falar sobre feminicídio” .
  • Realização de seminário sobre direitos humanos para profissionais e estagiários do jornal, ministrada por representantes das entidades que assinaram a nota de repúdio.

Expressando a presença do OBMídia além das paredes da universidade, unindo a teoria acadêmica à prática.

O OBMÍDIA esteve presente, no dia 22 de novembro, na II Semana de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura (SEPEC), com a estudante Thais Maria dos Santos apresentando Direitos Humanos Na Comunicação: As Pesquisas e Produções do OBMÍDIA da UFPE. Sua demonstração visou explanar como o Observatório vem sendo usado tanto para contestar as notícias veiculadas com enfoque de gênero, raça/etnia, orientação sexual e/ou violação aos direitos humanos, quanto para apoiar às ações de educação para os meios, realizadas pela sociedade civil; investir na produção de documentários em vídeo, campanhas e programas de rádio com foco na leitura crítica da mídia e na oferta de espaços para o exercício da liberdade de expressão de múltiplas vozes, silenciadas pelos meios comerciais de comunicação; e produzir debates, artigos acadêmicos e oficinas, todos eles com o foco nos temas já citados.

Para ilustrar parte do que é realizado, Thais disponibilizou algumas das análises feitas para audiências no Ministério Público, os códigos utilizados e os processos de retratação, que seguiram os seguintes passos.

  • Veiculação de “Erramos” na capa do jornal, a título de retratação, na qual o Aqui PE lamentou “todos os transtornos causados pela publicação indevida” (edição dos dias 28 e 29 de outubro).
  • Publicação da série de matérias sobre direitos humanos. A primeira foi veiculada dia 11 de dezembro com a chamada de capa “Precisamos falar sobre feminicídio” .
  • Realização de seminário sobre direitos humanos para profissionais e estagiários do jornal, ministrada por representantes das entidades que assinaram a nota de repúdio.

Expressando a presença do OBMídia além das paredes da universidade, unindo a teoria acadêmica à prática.